LÓPEZ E MA, OS VERDADEIROS REIS DE VILA REAL

Adicionada em: 14-07-2015

Mini_0

A equipa Citroën Total sagrou-se o passado fim-de-semana a grande vencedora da prova do WTCC nas ruas de Vila Real, ao conquistar duas dobradinhas, encerrando a temporada europeia do WTCC com mais um triunfo. Na primeira corrida, José María López e Sébastien Loeb converteram as suas performances das qualificações numa incontestável dobradinha. Marcada por várias peripécias, a Corrida 2 sorriu a Ma Qing Hua. O chinês conquistou a sua segunda vitória no WTCC na frente de Yvan Muller. Os quatro pilotos da Citroën lideram o Campeonato do Mundo com José María López (322 pts), na frente de Yvan Muller (267), Sébastien Loeb (230) e Ma Qing Hua(146).

O QUE ELES DISSERAM…

José María López: «Mesmo se isso até pode parecer fácil visto de fora, fazer treze voltas nesta pista representa um verdadeiro desafio. Existia uma completa incógnita na partida, pois não sabíamos como o carro iria reagir naquela parte do circuito. Finalmente, tudo correu bem e pude ganhar vantagem sobre o Yvan. Estava com um bom ritmo e consegui afastar-me bastante depressa. Em seguida, era preciso gerir o calor e preservar o meu Citroën C-Elysée WTCC. Sentia que a mecânica sofria com as bossas e nos limitadores da pista. Era preciso manter a concentração até ao fim. Fiquei muito feliz por ter ganho numa pista assim tão exigente! A Corrida 2 foi caótica, mas consegui passar pelos acidentes para subir da décima à quinta posição. Com 55 pontos de vantagem e quatro jornadas para disputar, estou numa situação ideal!»

Sébastien Loeb: «O Pechito e eu fizemos um bom arranque na primeira partida. Foi um bocado complicado na primeira chicane, pois ambos cometemos o mesmo erro, sair demasiado largo. Tentei continuar em contacto, mas era um bocado difícil, por causa da aspiração, que provocava demasiada subviragem. A diferença aumentou, pois o Pechito estava um pouco mais rápido. Pela minha parte, consegui manter uma distância suficiente para o Michelisz, Fiz uma boa largada na segunda corrida, evitando a confusão à minha frente. A seguir, foi um bocado como brincar aos comboios e não podia tentar grande coisa. Numa curva, vi que o Catsburg estava quase parado. Ele voltou a partir, mas o Michelisz estava em posição de o passar pelo interior. Cheguei lá muito mais depressa e não fui capaz de travar para ficar atrás. A travagem foi em apoio e senti uma pancada na parte traseira do lado direito; o carro entrou em derrapagem e só parou nos pneus… O balanço no que diz respeito aos pontos não foi muito bom para o Campeonato. Estava aqui mais rápido que o Yvan, mas a performance pura não foi recompensada.»

Ma Qing Hua: «Quero agradecer especialmente à minha equipa de engenheiros e de mecânicos. Ao apostar na grelha invertida nas qualificações, o objectivo era claramente ganhar a segunda corrida. Tudo decorreu como planeado, com uma partida perfeita e um ritmo de corrida muito bom. Estive sempre concentrado, para não deixar o Yvan chegar perto. Mesmo se a prova terminou com uma bandeira vermelha, foi um grande momento, quando percebi que tinha ganho. E foi ainda mais forte quando ouvi o Hino Nacional chinês, no pódio. Sinto-me orgulhoso pelo meu país e pela Citroën e penso que esta nova vitória será benéfica para o desenvolvimento do desporto automóvel na China.»

Yvan Muller: «Após umas qualificações difíceis, não podia verdadeiramente esperar muito deste fim-de-semana. Mesmo assim, estou satisfeito por ter subido ao pódio. O Ma Qing Hua esteve muito rápido durante toda a prova, ele merece totalmente a sua vitória. Ainda tentei um ataque para o ameaçar, mas sem resultado. Mesmo se a situação no Campeonato do Mundo não evoluiu no bom sentido para mim, ainda não baixei os braços e irei atacar na segunda parte da temporada, com a firme intenção de me aproximar do Pechito!.»

Outras imagens


Ensaio Oficina

Newsletter

Preencha este formulário e receberá regularmente por e-mail as novidades Citroën, promoções, ...

Nota: Link abre em nova janela.


Últimas notícias